terça-feira, 31 de julho de 2012

Joaquim Costa homenageado em Montalvão

QUANDO O SONHO É DO TAMANHO DO HOMEM
 Joaquim Maria da Costa, 80 anos, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Montalvão desde 1998, foi alvo de uma singular homenagem no passado dia 31 de Maio – Dia das Misericórdias – na sua terra natal, Montalvão.
A iniciativa partiu de uma proposta apresentada e aprovada na Assembleia Geral daquela instituição, visando, entre outros, tributar em vida e publicamente, o agradecimento ao trabalho desenvolvido por este Irmão da Misericórdia, nomeadamente, o seu decisivo contributo para a construção do lar da Terceira Idade de Montalvão, uma unidade modelar na prestação de cuidados e assistência aos idosos da freguesia.
José Roberto, presidente da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Montalvão, explicou os motivos da homenagem e agradeceu às pessoas e entidades presentes, enquanto José Leandro, da Comissão de Honra, salientou os principais traços da obra solidária e do empenhamento que Joaquim Costa dedicou à realização de um grande sonho tido como quase impossível: a construção do Lar.
O presidente da Junta de Freguesia de Montalvão, realçou as qualidades do provedor, disse ser um orgulho da autarquia ter entre si um cidadão e uma obra a todos os títulos exemplar e mostrou disponibilidade para ajudar a instituição.
O representante da União das Misericórdia Portuguesas, destacou a "obra magnífica de um homem que dedicou a vida à causa social, apaixonado pela sua terra, pela qual tem demonstrado grande dedicação".
Manuel Bichardo, vereador da Câmara de Nisa, disse que o Município estava ali para homenagear o senhor Joaquim Costa e também o relevante papel social e de empregabilidade desempenhado pelas Misericórdia, informando que a autarquia nisense iria propor a atribuição da medalha de Honra ao provedor da Misericórdia de Montalvão.
Jaime Estorninho, Governador Civil e amigo pessoal do homenageado, felicitou os voluntários das Misericórdias do distrito de Portalegre, "centenas de homens e mulheres que em cada Misericórdia trabalham em prol dos outros, dando-lhes um pouco de amor, carinho e dedicação"
Quanto ao homenageado disse estar "habituado a vê-lo sempre metido em actividades e a concretizar os sonhos mais difíceis". Agradeceu ainda à Câmara de Nisa e ao Dr. Basso, que muito ajudou à construção deste Lar.
Joaquim Maria da Costa, visivelmente comovido, não foi de muitas palavras.
"Tenho fracos dotes oratórios, estou muito sensibilizado por ver aqui tantas pessoas amigas. Penso que não fiz nada de especial para merecer esta homenagem. Limitei-me a dar o meu melhor em prol de Montalvão, não fiz nada sozinho, a obra erguida e que continua, só foi possível com a ajuda de muita gente, com o apoio dos funcionários que são inexcedíveis no trabalho e carinho para os utentes."
Após o acto de homenagem foi descerrada uma placa que juntou ao nome da instituição, o de Joaquim Maria da Costa. A Câmara Municipal de Nisa aprovou no dia seguinte (1 de Junho), por unanimidade, a atribuição da Medalha de Honra e a União das Misericórdia Portuguesas atribuiu-lhe uma condecoração.
Seguiram-se os abraços e parabéns de muitas pessoas, entidades, amigos, familiares, utentes e funcionários da Misericórdia, antes do almoço oferecido pela Instituição a todos os convidados.
A homenagem a Joaquim Maria da Costa teve ainda a especial contribuição de dois filhos da terra, José Roberto e António Sereno, que à viola e à guitarra acompanharam Rita Inácio num momento dedicado ao fado e à expressão da alma portuguesa.
Mário Mendes in "Alto Alentejo" - 8/6/11