quinta-feira, 21 de maio de 2015

OPINIÃO: O Ti Bento (Homenagem póstuma)

 “O homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu.” Thiago de Mello
Ao longo da vida soube construir, como poucos, pontes de afetos, de confiança, de respeito mutuo. Sabia ouvir, com a sabedoria dos homens bons, para depois decidir em conformidade com as necessidades da comunidade. Sempre em prol do bem comum. Sempre em defesa das suas gentes, do seu património material e imaterial. E por todos era respeitado, e entre a população carinhosamente tratado por “Ti Bento”. Um verdadeiro autarca em toda a sua dimensão, próximo de todos e dos seus problemas e anseios.
O “Ti Bento” - Bento Rafael Miguéns deixou-nos, esta semana. Montalvão e a sua freguesia ficaram mais pobres, perdeu-se um referencial do poder local. 
De todos os autarcas que passaram pela junta de freguesia de Montalvão, podemos dizer sem margem para dúvidas, que foi o único trouxe uma nova maneira de pensar o poder local, efetivamente, pretendeu construir um rumo diferente para que esta terra alcança-se o tão prometido desenvolvimento.
Em 1993 – numa entrevista - que resgatamos dos arquivos da Câmara Municipal de Nisa - que deu ao jornal “A Raia”, o “Ti Bento” realçava as suas preocupações e anseios para esta comunidade, quando apontava nesse seu discurso direto, quatro aspetos que entendia como relevantes para a freguesia:
 - No campo do desenvolvimento económico a construção da ponte entre Montalvão e Cedilho;
 - A relevância das relações bilaterais e transfronteiriças entre Montalvão e Cedilho;
 - No campo social a luta por melhor saúde – reivindicando ao poder central, mais médicos e mais meios de diagnóstico;
 – A preocupação com os mais velhos - dando o apoio no arranque para a construção do lar de idoso.
Deixo assim à minha maneira a minha modesta e sincera homenagem a este grande amigo e Montalvanense, o Presidente Bento Rafael Miguéns. Humildemente, curvo-me perante a sua memória e a sua alma. Sentidas condolências à família.
JOSÉ LEANDRO LOPES SEMEDO